Este site tem certas restrições de navegação. Recomendamos o uso de navegadores web como: Edge, Chrome, Safari ou Firefox.

Aproveite para cuidar de você!

Carrinho de Compras

O seu carrinho está vazio

Continuar as Compras

Você sabe o que são adaptógenos?


Conhecidos como “tônicos superiores”, os adaptógenos já vêm sendo utilizados há milhares de anos na Medicina Ayurvédica e na Medicina Tradicional Chinesa, auxiliando na regulação de diversas funções biológicas, tais como aumentar a sensação de bem-estar e favorecer a saúde em geral, sem necessariamente fazer parte do tratamento de uma doença específica.

A palavra adaptógeno tornou-se comum no mundo da alimentação saudável e da fitoterapia. O termo “adaptogênico” foi introduzido na medicina no século XX, derivado da palavra adaptar – portanto, tal nomenclatura não é antiga, mas o uso das plantas e compostos que recebem essa denominação é milenar.

Tudo começa em 1943, com uma resolução do governo da antiga União Soviética para iniciar estudos sobre Schisandra chinensis, com o objetivo de encontrar substâncias naturais que permitissem aumentar a amplitude e o potencial humano durante a segunda Guerra Mundial e, posteriormente, num contexto de caminho para a produtividade num cenário de Guerra Fria entre o Este e o Oeste que se estava a acentuar.

O farmacologista Russo Nicolai Lazarev, que procurava definir o tipo de ação de algumas plantas como o ginseng, criou assim, em 1947, o conceito de “adaptógeno” que caracteriza “uma substância farmacológica capaz de induzir num organismo um estado de resistência aumentada não específica que permite contrariar os sinais de stress e adaptar-se a um esforço excecional”.

No início dos anos 60, Israel Brekhman, antigo aluno de N. Lazarev convertido em chefe do Departamento de fisiologia e farmacologia da adaptação em Vladivostok, retomou os trabalhos deste último, principalmente aqueles sobre o eleuterococo. Desde 1968, I. Brekhman definiu três critérios para caracterizar um adaptógeno:

  • Aumenta a resistência do organismo contra agressões de natureza diversa (físicas, químicas ou biológicas) de forma não específica;
  • Apresenta uma influência normalizadora, independentemente de quais sejam as mudanças nos parâmetros fisiológicos;
  • Demonstra uma ausência de toxicidade e de influência sobre as funções normais do organismo [Brekhman 1968].

Em 1969 foram publicadas pela primeira vez fora da União Soviética, numa revista internacional, a Annual Review of Pharmacology [Brekhman & Dardymov 1969], trabalhos que englobaram mais de 15 anos de investigações. Até meados dos anos 80, publicaram-se mais de 1000 estudos em Russo sobre os extratos e constituintes preparados a partir do eleuterococo, do ginseng, da Rodiola e da Schisandra da China; posteriormente as investigações continuaram a realizar-se a um ritmo sustentado e internacionalizaram-se.

Devemos salientar que na medicina tradicional chinesa, o conceito de “adaptógeno” está presente desde há milhares de anos sob o conceito de “tónicos superiores”, que regulam diversas funções e aumentam a energia, favorecendo a saúde em geral, sem tratar doenças específicas.

ADAPTÓGENOS x ESTRESSE

O estresse pode ser definido como um estado de perturbação do equilíbrio do organismo, desencadeado pelo aumento na produção do hormônio cortisol pelas glândulas suprarrenais. Este desequilíbrio compromete o funcionamento de diferentes órgãos e sistemas, incluindo o sistema nervoso central e os sistemas imunológico, digestivo e cardiovascular.

Desta forma, o excesso de cortisol no organismo em decorrência de um quadro de estresse prolongado é um fator de risco importante para o desenvolvimento de inúmeras doenças, pois aumenta a susceptibilidade a infecções oportunistas por diferentes tipos de vírus e bactérias, acarreta em desbalanço metabólico ao prejudicar o metabolismo de açúcares e gorduras, bem como promove alterações cardiovasculares e cognitivas.

Os adaptógenos, por sua vez, ao restabelecerem o equilíbrio na liberação do cortisol durante ou após situações estressantes, contribuem para o funcionamento adequado do organismo e promovem uma melhora no bem-estar geral, na resposta imunológica, no humor, na cognição, entre muitos outros.

Os adaptógenos, por sua vez, ao restabelecerem o equilíbrio na liberação do cortisol durante ou após situações estressantes, contribuem para o funcionamento adequado do organismo e promovem uma melhora no bem-estar geral, na resposta imunológica, no humor, na cognição, entre muitos outros.

CONHEÇA ALGUNS ADAPTÓGENOS DISPONÍVEIS NA MULTI

Ashwagandha

Também conhecida como Whitania somnifera, essa planta é um adaptógeno poderoso que aumenta a resistência do organismo ao stress e melhora a imunidade. Usado também como tônico, rejuvenescedor e estimulante sexual. Possui propriedade antioxidante potente que protege contra os danos celulares causados por radicais livres. Melhora a função do sistema nervoso, reduz os sintomas de ansiedade, da dificuldade de concentração, fadiga e traz uma melhora da memória.

Veja mais em: https://www.multiformulas.com.br/ashwagandha-500mg-tonico-revitalizante.html

Licorice Extrato

Também conhecido como Alcaçuz Extrato Seco, é indicado nas afecções gastrintestinais e respiratórias, tais como gastrite, úlceras gastrintestinais, refluxo gastroesofágico, espasmos gastrintestinais e prisão ventre; tosse, bronquite e asma. Tem excelente potencial expectorante. O Alcaçuz possui em sua composição muitas fibras e propriedades laxativas, portanto tem sido utilizado como coadjuvante no emagrecimento. Age também sobre o sistema nervoso central, sendo benéfico no mecanismo da ansiedade. Estudos in vitro demonstraram inibir a enzima monoaminooxidase, sendo útil na depressão. Outro dos mecanismos de ação do Alcaçuz indica a diminuição dos índices de testosterona, por isso tem ação hormonal no tratamento da síndrome do ovário policístico.

Panax Ginseng

As raízes secas, das quais a periderme é retirada, são chamadas de “ginseng branco”, em quanto que o “ginseng-vermelho” é obtido através da exposição das raízes ao vapor de água, com posterior secagem, sem a retirada da periderme. Esse procedimento altera a cor para o marrom-avermelhado (Simões, 1999). As raízes do ginseng têm sido consideradas desde meados da década de 60 como uma planta adaptógena. Este conceito implica que seus componentes ativos não estão destinados a combater uma doença especifica, mas dirigidos a aumentar ou potencializar a capacidade de defesa de um organismo frente a agressores externos ou de ordem físico ou mental (Brekhman I. e Dardymov I., 1969 apud Alonso, 1998).

É indicado para estados de debilidade como, particularmente depois de uma doença ou na velhice. Também é considerado útil para aumentar o vigor por períodos curtos de tempo, bem como para melhorar a resposta do corpo ao stress. Os Chineses usam o ginseng para a falta de apetite, esquecimento, inquietação, palpitações, insônia transpiração e debilidade geral (Polunin, 1992). Tem ação tanto estimulante como relaxante do sistema nervoso central; semelhante a adrenalina, estimula o vigor muscular; tônico cardíaco, baixa os níveis de glicose no sangue, ajuda o corpo a suportar a pressão do dia-a-dia (Polunin, 1992).

Ginseng Siberiano

Das diferentes espécies de ginseng, o Siberiano (Eleutherococcus senticosus) é o que apresenta menor índice de efeitos colaterais, não produzindo excitação em pacientes, exercendo efeito protetor mais intenso sobre o sistema imune, e não desenvolvendo síndrome semelhante ao estresse, conforme já observado no Panax ginseng (ginseng Coreano), no entanto o seu uso é contraindicado em pacientes hipertensos. Em pacientes diabéticos devem ser considerados efeito hipoglicemiante por eleuterococo.

Exerce efeito protetor intenso sobre o sistema imune. Aumenta a resistência muscular. Melhora significativamente a memória seletiva, saúde mental e função social. Está indicado para fadiga física, mental, e astenia funcional comprovados em estudos. Períodos de convalescença, como resfriados e prevenção contra a gripe. Melhora o estado de alerta e aprendizagem.

Veja mais em: https://www.multiformulas.com.br/ginseng-siberiano-2000mg-reduz-a-sensac-o-de-fadiga-fisica-no-pos-treino.html

Ginseng Brasileiro

A Pfaffia paniculata é conhecida como “Ginseng Brasileiro” devido à forma humanoide que apresenta as suas raízes assim como o Ginseng Asiático é caracterizado.

É usado como auxiliar no tratamento de distúrbios circulatórios, stress, astenia, diabetes e como estimulante geral do organismo. Tem ação tônica geral para o organismo, cicatrizante e anti-inflamatória, irregularidades circulatórias. Estimula e tonifica o organismo, eliminando a fadiga física e mental, aliviando estados de estresse e depressão. Contribui para as funções cerebrais. Possui ação hipoglicêmica além de potencializar a ação da insulina. Fortalece o coração, melhorando o processo circulatório e aumenta o número de glóbulos vermelhos e o nível de hemoglobina. A Alantoína, presente em sua composição, possui ação cicatrizante e regeneradora celular.

Ganoderma lucidum

Reishi mushroom extract, (Ganoderma lucidum) pertencente à família da Ganodermataceae, é um basidiomiceto com mais de 4000 anos de história, utilizada na tradicional medicina chinesa desde a dinastia Ming. Sua composição é padronizada a 20% de polissacarídeos, composto de triterpenos (ácido ganodéricos), betaglucano, proteínas, lectinas, aminoácidos, nucleotídeos, alcaloides, esteroides, lactonas, ácidos graxos e enzimas.

Reishi mushroom extract possui atividade antitumoral e imunomoduladora, onde geralmente está relacionada com os polissacarídeos, mas também por ser exercida por proteínas e triterpenos. Os polissacarídeos agem sobre o sistema imunológico induzindo a maturação, a diferenciação e a proliferação de células imunocomponentes, através do incremento na produção de citocinas. Estudos com linhagens de células tumorais, relatam que o Reishi mushroom extract, contendo princípios ativos como os triterpenos, agem diretamente sobre a sinalização celular, interrompendo o ciclo celular, promovendo a diferenciação ou desencadeando a apoptose. Reishi mushroom, além de vários outros princípios ativos, como um grupo de terpenóides genericamente relatados como ácidos ganodéricos (GAS), com marcante atividade antiviral e inibidora de agregação plaquetária.

Holy Basil

O Holy Basil (Ocimum sanctum Linn) ou manjericão-santo é uma planta nativa da Ásia tropical, cultivada e usada terapeuticamente na Índia por mais de 3000 anos. Também denominada 'Tulsi', é reconhecido pela sua versatilidade em restaurar e reequilibrar as diversas funções do organismo. Dentre os diferentes compostos com atividade biológica que constituem o Holy Basil, destacam–se o eugenol, com atividade antisséptica, os compostos fenólicos, com potente atividade antioxidante e o ácido ursólico, com potencial antinflamatório, além de ácidos graxos essenciais, como ácido esteárico, palmítico, oleico, linoleico e linolênico. Na medicina ayurvédica tradicional, as aplicações terapêuticas do Holy Basil são as mais variadas. Desde tosses e resfriados, normalização da pressão arterial, febres e indigestão até o tratamento tópico de feridas, úlceras e micoses. Mais recentemente, as propriedades adaptógenas do Holy Basil vêm ganhando destaque, uma vez que os sintomas do estresse foram atenuados em diferentes condições nos estudos clínicos. Além disso, o sistema imunológico também se beneficia das ações do Holy Basil, melhorando os parâmetros imunológicos como interleucinas e glóbulos brancos.

Astragalus membranaceus

O Astragalus apresenta ação imunoestimulante, anticarcinogênica, antiviral, antioxidante, hepatoprotetora e suave ação hipotensora (AHP, 1999). É utilizado como adjuvante no tratamento de gripes e Influenza; como imunomodulador, promovendo o aumento de histamina; no tratamento da diarreia crônica; no tratamento de edemas; tratamento de sangramento anormal uterino e como um agente cardiotônico. É muito usado como complemento nos tratamentos de quimioterapia (WHO, 1999).

Rhodiola Rosea

Planta nativa da Sibéria ártica tem sido usada há anos pelas culturas da Europa Oriental e Ásia. O extrato obtido das raízes de Rhodiola rosea (Crassulaceae) contém salidrosídeos, rosavina e polifenóis, responsáveis por sua ação adaptogênica.

A Rhodiola rosea contêm compostos fenólicos estruturalmente relacionados com as catecolaminas, substâncias que atuam no SNC aumentando a habilidade de concentração e a capacidade física e mental. Assim, diminui os níveis de estresse e depressão, pois estimula a produção de determinados neurotransmissores, como a serotonina e a dopamina, além de inibir a MAO, aumentando a atividade desses neurotransmissores. Proporciona um acréscimo de 30% dos níveis de serotonina e aumenta o transporte dos precursores da serotonina (triptofano e 5-hidroxitriptofano) no sistema nervoso central. O seu uso também tem sido estudado na medicina esportiva, para estimular a utilização de ácidos graxos na produção de energia, aumentar a proteção antioxidante do organismo, além de melhorar o desempenho físico e a resistência do organismo.

Veja mais em: https://www.multiformulas.com.br/rhodiola-rosea-250mg-capsulas-da-raiz-de-ouro.html

Cordyceps sinesis

O Cordyceps sinensis é um fungo oriundo de cogumelo chinês usado para tratar diversos problemas de saúde. Possui muitos componentes bioativos como cordicepina, ácido cordycépico, ergosterol, polissacarídeos, nucleosídeos e peptídeos. Estudos mostram que Cordyceps e seus princípios ativos possuem uma ampla gama de ações farmacológicas, tais como anti-inflamatória, antioxidante, antitumoral, antidiabética, estimulante sexual, antiapoptose, imunomodulador, nefroprotetor e hepatoprotetor.    

Schisandra chinensis

Considerado como adaptógeno, Schisandra chinensis exerce efeitos sobre o sistema nervoso central, endócrino, imunológico, cardiovascular, gastrointestinal, sobre o desenvolvimento da ateroesclerose e no equilíbrio da glicemia. Referências o consideram como um estimulante do sistema nervoso central que aumenta respostas reflexas, melhora o estado de alerta mental, reduz os distúrbios de memória relacionados à idade, aumenta a resistência e precisão dos movimentos, proporcionando elevação e melhoria na performance, redução da fadiga, além de atuar protegendo o fígado através da ativação das enzimas hepáticas que produzem a glutationa, uma importante substância antioxidante.                                                                                                  

Gostou de saber mais sobre os adaptógenos?

Acompanhe nosso blog e fique sempre por dentro das novidades e dicas de saúde e beleza! “As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico, farmacêutico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Evite a automedicação