Este site tem certas restrições de navegação. Recomendamos o uso de navegadores web como: Edge, Chrome, Safari ou Firefox.

Aproveite para cuidar de você!

Carrinho de Compras

O seu carrinho está vazio

Continuar as Compras

ENZIMAS DIGESTIVAS – ENTENDA COMO ELAS ATUAM EM NOSSO ORGANISMO.

Enzimas digestivas são proteínas com função de “quebrar” macromoléculas em porções menores, facilitando sua absorção no organismo através do intestino. Elas podem ser produzidas naturalmente pelo corpo ou ingeridas a partir da alimentação, assim acelerando as reações químicas do organismo.

As enzimas digestivas são moléculas produzidas pelo nosso organismo e que também estão disponíveis em alimentos crus, que aceleram reações químicas. Na digestão, são responsáveis pela quebra das macromoléculas (carboidratos, proteínas e gorduras) presentes nos alimentos em moléculas menores, facilitando assim sua absorção pelo intestino, além de deixar os micronutrientes (vitaminas e minerais) livres e disponíveis para o processo de absorção, nutrindo e fornecendo energia às células.

Inchaço, má absorção ou dificuldade de entrar em uma nova dieta podem ser sinais de que suas enzimas não estão funcionando bem.

Para que servem as enzimas digestivas

O corpo produz enzimas no sistema digestivo, incluindo boca, estômago e intestino delgado. Mas a maior parte é trabalho do pâncreas. As enzimas digestivas ajudam o organismo a quebrar carboidratos, gorduras e proteínas. Isso é necessário para permitir a absorção de nutrientes e manter a saúde em dia. Sem essas enzimas, os nutrientes presentes na comida são desperdiçados.

Certas condições de saúde podem interferir na produção de enzimas digestivas. Problemas no pâncreas, danos na borda intestinal ou condições digestivas graves (como doença celíaca ou de Crohn) podem prejudicar a produção de enzimas.

Uma baixa produção de enzimas pode ocasionar problemas diversos, tais como síndrome do intestino permeável, supercrescimento bacteriano, intolerâncias alimentares, inflamações intestinais, baixa acidez estomacal, dentre outros.

É importante saber que à medida que nosso corpo envelhece naturalmente a produção de enzimas digestivas se torna mais lenta. No entanto, a maior parte das pessoas está com uma baixa produção de enzimas digestivas por outro motivo – o estresse.

O estresse elevado acelera a digestão e coloca seu organismo em um estado de “lutar ou fugir” – estado que reduz a energia disponível para a digestão – isso leva a uma baixa produção de enzimas digestivas e a uma dificuldade de digestão completa das refeições. Consequentemente, há uma má absorção de nutrientes.

Nesses casos, é possível suplementar enzimas digestivas antes das refeições para ajudar o organismo a processar os alimentos com eficiência.

Os principais sintomas da baixa de enzimas digestivas são:

  • Presença de alimentos não digeridos nas fezes;
  • Esteatorréia (presença de gordura nas fezes);
  • Diarreia ou constipação;
  • Gases e inchaço;
  • Perda de peso não intencional;
  • Sintomas de desnutrição
  • A baixa produção de enzimas gera uma sensação semelhante à de quando comemos muita pizza ou de quando nos alimentamos com algum alimento ao qual temos intolerância.

Tipos de enzimas digestivas

Abaixo, está uma breve lista de algumas enzimas digestivas e quais alimentos elas ajudam a digerir.

  • Amilase ou Ptialina: Essa enzima digestiva auxilia na digestão de glicogênio e de amido. Ela pode ser encontrada na própria saliva e auxilia na decomposição de carboidratos. Ela é produzida pelas glândulas salivares e pode auxiliar na prevenção de cáries dentárias. É exatamente por isso que produzimos muita saliva, é uma forma de evitar o surgimento das indesejáveis cáries.
  • Pancreatina: Auxilia na digestão e nas deficiências pancreáticas. Hidrolisa gordura em glicerol e ácidos graxos, transforma proteína em protease e derivados, além de converter amido em dextrina e açucares.
  • Bromelina e papaína: Elas são enzimas proteolíticas. Assumem a função de decompor as proteínas em peptonas menores por meio de hidrólise. Essas enzimas estão muito presentes em suplementos voltados para pessoas que consomem muitos alimentos proteicos para ganho de massa magra. Eles contribuem para maior eficiência na digestão das proteínas.
  • Lipase: Ela auxilia na transformação de lipídeos, oferece suporte à catalisação e reações químicas. Ela é produzida pelo pâncreas e pode estar presente na parte inicial do intestino, ou seja, presença garantida no suco gástrico e intestinais.
  • Pepsina: é uma enzima digestiva que é produzida pelas paredes do estômago, sendo ativada pelo suco gástrico, e tem como função desdobrar as proteínas em peptídeos mais simples (aminoácidos).
  • Protease: Ela é fundamental para aqueles que são adeptos de uma alimentação para ganho de massa magra. Ela auxilia na digestão e quebra das ligações peptídicas de aminoácidos contidos nas proteínas. Esse processo de digestão é finalizado pelas enzimas digestivas proteolíticas e pela Lipase.
  • Lactase: Auxilia na quebra da lactose (açúcar do leite), transformando-a em glicose e galactose;

Veja mais sobre lactase em: https://www.multiformulas.com.br/lactase-400mg.html

Ficou evidente que as enzimas digestivas têm um papel fundamental para a absorção dos nutrientes no processo digestivo, certo? Porém, existem fatores que impactam para que a produção natural delas seja reduzida. Assim, buscar por produtos manipulados para suplementar é uma solução.

Veja mais sobre enzimas digestivas em: https://www.multiformulas.com.br/complexo-enzimas-digestivas-60-capsulas.html

As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico, farmacêutico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Evite a automedicação.